-
Home Pesquisar Úteis Ambiente Astronomia Recicle Cidades Árvores Dinossauros Anuncie Noticias Fale
   
Ouças boas musicas
   


Artico vai tão mal que cientistas estão sugerindo recongelar a água

Todos sabemos que a Terra está aquecendo por causa da emissão de gases de efeito estufa na atmosfera pelos seres humanos. Também ficamos sabendo que o Ártico está indo de mal a pior, atingindo recordes negativos de gelo marinho em vários dos últimos meses, graças ao clima quente recente, que está conectado à tendência de aquecimento de longo prazo. Projeta-se que as populações de ursos polares desapareçam. Até 2030, pode não haver mais gelo marinho no período do final do verão.



Tudo bem, então o que fazemos sobre isso? Ao menos um grupo de cientistas da Universidade Estadual do Arizona sente que a solução principal até agora, de limpar nossa ação e reduzir nossas emissões, provavelmente não acontecerá graças à falta de uma liderança política eficaz. Então, eles ofereceram uma solução maluca: recongelar o gelo nós mesmos, com um projeto de engenharia de US$ 100 bilhões, e fingir que está tudo bem.

Antes de explicarmos como isso funcionaria, falemos sobre por que o gelo polar é importante. O mais óbvio é que ecossistemas inteiros dependem da existência de gelo no Ártico, incluindo seres humanos que o usam para caça e viagem. Mas também o gelo branco e brilhante reflete a luz do sol, o que mantém todo o planeta mais gelado. Sem esse gelo, nossos polos absorveriam e prenderiam mais energia, aumentando as temperaturas em todos os cantos — além disso, o gelo derretido emitiria ainda mais gases de efeito estufa presos nele. O gelo marinho altera a densidade da água do oceano, permitindo-lhe circular melhor. Nosso planeta é um organismo vivo, e uma doença como a perda de gelo marinho pode prejudicar todo o sistema.

Os cientistas por trás do novo estudo acham que congelar mais gelo marinho para substituir o que foi perdido no Ártico pode exigir apenas um sistema de bombas d’água flutuantes abastecidas por turbinas de vento para trazer mais água para a superfície. O gelo e a água de superfície mantêm a água mais profunda isolada, mas expor essa água mais profunda às temperaturas de superfície frígidas de -40º C a -35º C poderia ajudar a aumentar a espessura do gelo marinho.

O estudo, publicado no periódico Earth’s Future, sugere que uma “fração significativa” da água bombeada abaixo da superfície poderia se transformar em gelo que permanece durante o inverno. Hilairy Hartnett, autora do estudo e cientistas da Universidade Estadual do Arizona, contou ao Gizmodo que a água precisaria vir de uma profundidade de um a dois metros abaixo do gelo e que tal método funcionaria desde que as temperaturas do gelo marinho do Ártico se mantivessem abaixo do ponto de congelamento da água marinha, cerca de -2º C.

“No momento, essa é a única solução de engenharia que conhecemos para a preservação do Ártico. Argumentamos em nosso estudo que não deveríamos adiar a implementação de tal estratégia. É importante apontar que a gestão do gelo é parte de uma solução para o gelo marinho que precisa ser integrada com outras estratégias de mitigação climáticas, incluindo a redução de CO2”, afirmou Hartnett.

A proposta do estudo é obviamente ousada e vem com muitos desafios. Teremos a quantidade certa de vento para que a turbina funcione consistentemente? Como implementaríamos em todo o Ártico as centenas de boias-turbinas necessárias para tal projeto?

De onde conseguiríamos todo o aço? “Estimamos que a implementação dos dispositivos em todo o Ártico em um ano consumiria essencialmente toda a produção de aço dos Estados Unidos, mas apenas 6% da produção mundial”, escrevem os autores. No fim das contas, um projeto desses custaria cerca de US$ 500 bilhões por ano, ao longo de dez anos, para distribuir bombas d’água por todo o Ártico, embora os cientistas acreditem que, com 10% disso, bombas estrategicamente posicionadas poderia levar a um aumento médio de um metro na espessura do gelo do Ártico.


Não tenho fé de que tal ideia funcionaria, nem que algum dia iremos resolver o problema de derretimento do gelo marinho, porque a cooperação internacional não é o ponto forte da humanidade. Mas nós realmente precisamos fazer algo sobre a perda de gelo marinho do Ártico, e é legal imaginar que podemos resolver nossos problemas com a engenharia de projetos de turbina que custam centenas de bilhões de dólares. Além disso, os próprios autores do estudo dão a entender que se os humanos puderam bancar o Projeto Manhattan, que nos colocou diretamente na era nuclear, então podemos bancar o recongelamento do Ártico.

Tudo não passa de meras especulações de "ações" cujos propósitos são barrados pelas pelo fraco poder monetário de todos os países, incluindo a China e USA, sendo estes o que mais destroem o planeta, o interesse ambicionista “cega” quem poderia fazer algo de bom, e com se não bastasse tantas noticias ruins, a sociedade pouco inteligente, elegem (psicopatas) como Donald Trump, que além de maníaco é um completo retardado, cujo conhecimento ambiental é (0) e o interesse pelo ser vivente é nulo, trocou o jogo de cartas para jogar com vidas, tirando as ultimas esperanças de recuperar o Planeta Terra da destruição total. (..)



  'Não estamos sozinhos', ou dividimos espaço com outras criaturas, ou morremos junto com o planeta, tenha consciência disso. Proteger as árvores, animais, rios e mares é um dever cívico. Faça sua parte, todos seremos responsabilizados pelo que estamos fazendo de mal a natureza.


Conheça o Ache Tudo e Região  o portal de todos Brasileiros. Cultive o hábito de ler, temos diversidade de informações úteis ao seu dispor. Seja bem vindo, gostamos de suas críticas e sugestões, elas nos ajudam a melhorar a cada ano.


 

Copyright © 1999 [Ache Tudo e Região]. Todos os direitos reservado. Revisado em: 06 abril, 2017. Melhor visualizado em 1280x800 pixel