Home Pesquisar Úteis Ambiente Astronomia Recicle Cidades Árvores Dinossauros Anuncie Noticias Fale
  CORES DOS DINOSSAUROS   
NOTICIAS
   
 


Hoje, com toda a pesquisa já feita, podemos dizer que conhecemos  um pouco melhor o estilo de vida, a anatomia, os hábitos alimentares e até o comportamento social dos dinossauros. Mas num ponto é possível afirmar que não sabemos absolutamente nada: a cor dos dinossauros.

Mas como isso é possível? Acontece que até hoje poucas amostras de pele de dinossauro foram encontradas. Através dessas amostras sabemos que os dinossauros em geral tinham a pele recoberta por escamas e, em alguns casos, penas. Essas escamas e penas eram diferentes entre as espécies. Alguns dinos tinham pequenas escamas arredondadas, enquanto outros tinham enormes escamas em forma de placas dérmicas. 

No que se refere à textura, já temos uma certa idéia de como era o revestimento externo dos dinos. Mas em nenhum dos fósseis já encontrados existiam indícios de pigmentos preservados. Sem esses pigmentos não podemos ter idéia alguma da real coloração desses animais.

Mas então, como alguns especialistas reconstituem tais criaturas e estas parecem tão reais, se ninguém nunca viu um dinossauro vivo?

Esses especialistas, já que não têm certeza da coloração, precisam usar de imaginação e criatividade. Mas essa imaginação deve ser coerente. Provavelmente não existiram dinossauros cor-de-rosa com pintinhas azuis.

Partindo desse princípio eles começam a buscar pistas que ao menos lhes permita recriar animais cujas cores sejam, mesmo que não exatas, sensatas.

Se observarmos os animais de hoje, percebemos que suas cores estão diretamente relacionadas ao seu estilo de vida. As cores podem ser úteis para camuflagem, mimetismo, atração sexual, status social... E estes mesmos padrões valiam há milhões de anos, quando os dinossauros dominavam a Terra.  Ao analisarem os dinossauros, seus hábitos alimentares, o tipo de ambiente onde viviam, seu comportamento social... os especialistas podem inspirar-se para realizar seu trabalho. 

Os animais atuais também são muito utilizados como modelo para a reconstituição de um dinossauro.

Durante muitos anos os paleontólogos e paleoartistas costumavam representar os dinossauros com colorações mortas, como cinza, marrom ou verde escuro.

Hoje muitos acreditam que, tais como seus primos mais próximos, aves e répteis, os dinossauros fossem bem mais coloridos e variados.

Um exemplo disso são os famosos Triceratops. Muitos acreditavam que esses pesados herbívoros eram acinzentados ou mesmo amarronzados . Tais animais, em sua concepção, não precisavam de camuflagem para esconder-se de predadores, já que seus cornos e sua gorjeia intimidariam até o maior dos tiranossauros. Mas talvez eles fossem bem coloridos, não para camuflar-se, mas para se mostrar. É possível que suas cores vivas não só intimidassem inimigos mas atraíssem parceiras para o acasalamento .

Outros ceratopsianos, como o Styracosaurus (abaixo), podem ter usado cores fortes para, juntamente com seus espigões na gorjeia e seu enorme corno nasal, assustar os grandes predadores, como o Albertosaurus e o Daspletosaurus.

 

O mesmo pode ter ocorrido em animais de placas ósseas, como o Stegosaurus  e os de barbatana, como o Amargasaurus . Nessas espécies, as placas e as barbatanas poderiam adquirir cores mais fortes na época do acasalamento, sinalizando a outros de sua espécie que o animal estava pronto para o namoro.

Na natureza cores vivas podem ainda ter um outro significado: perigo. Muitos animais associam cores chamativas a criaturas perigosas. É bem possível que muitos dinos, mesmo que não fossem perigosos de verdade, pudessem ter cores berrantes, imitando a padronagem de espécies temidas para enganar os inimigos. Um caso clássico de mimetismo cromático.

Algumas espécies, como as atuais zebras e girafas, apresentam uma estranha padronagem de listras e manchas cuja principal função é confundir o predador. Quando um bando de zebras está correndo, é quase impossível distinguir os animais individualmente, pois sua coloração causa uma ilusão óptica que confunde os leões. Dinossauros como os ornitomimossauros ou mesmo os grandes terizinossauros  podem ter desenvolvido cores semelhantes para obter o mesmo efeito.

Entre as espécies emplumadas (abaixo) as cores provavelmente desempenhavam mais a função de atrativos sexuais durante os rituais de corte, na época de acasalamento.

 

Entre os saurópodes, talvez o mundo fosse mais discreto. Grandes demais para serem atacados, os saurópodes adultos provavelmente não dependiam tanto de camuflagem ou intimidação. Mas alguns acreditam que os filhotes apresentassem cores que os ajudassem a se camuflar nos primeiros anos de vida, quando os adultos os abandonavam na floresta até que tivessem idade suficiente para conseguir acompanhar o ritmo de uma manada. É possível também que os adultos, em época de acasalamento adquirissem cores mais vivas no pescoço e cauda, para impressionar companheiros.

Os hadrossauros e iguanodontes eram grandes herbívoros de até 5 toneladas que serviam de presas para inúmeros carnívoros. Na maior parte do tempo seu hábitat era composto de florestas mais fechadas e bosques. Para esses animais a camuflagem era o melhor caminho. Qualquer cor que os escondesse dos inimigos era útil. 

No caso das espécies que viviam em áreas mais abertas, a hipótese do mimetismo cromático com intuito de enganar os inimigos, fazendo-os pensar que eram animais perigosos, pode ter sido também usada.

 

Entre os carnívoros, a camuflagem era mais importante que qualquer outra coisa. Para garantir uma boa caçada, mesmo os mais ágeis predadores, como os raptores precisavam de uma padronagem que os tornassem imperceptíveis em seu meio. Assim os carnívoros em geral podem ter tido padrões listrados e pintados, como atuais tigres e leopardos (abaixo).

 

 Podem também ter apresentado cores escuras, como preto ou diversos tons de verde para confundir-se em áreas de mata mais escura.

Acredita-se que carnívoros maiores, como Tyrannosaurus, Giganotosaurus ou mesmo Spinosaurus, poderiam, além de caçar, roubar presas de predadores menores.

Nesses casos o tamanho e a aparência podem ser importantes. Se observarmos nos dias de hoje, vemos que os leões machos, muito conhecidos por esse tipo de comportamento, apresentam jubas espessas e um rugido assustador. Essas características fazem dele um animal muito impressionante, mesmo para os de sua própria espécie. Tanto é verdade que, mesmo sendo em geral as fêmeas que apanham o alimento, o macho, com toda a sua presença, afasta-as do prêmio e come primeiro.

Nesse jogo de intimidação as cores também podem ser importantes. Imagine um enorme Tyrannosaurus escuro, com uma cabeça vermelha como sangue (abaixo), ou um Spinosaurus, com sua barbatana toda colorida. Deve ter sido uma visão impressionante. Se um predador menor fosse surpreendido se alimentando por um desses gigantes, com certeza fugiria bem rápido, deixando sua refeição para ser saboreada por eles.

É bem provável que nunca saibamos qual era a cor real de um dinossauro. Mas com as análises sérias dos cientistas, podemos ao menos ter uma idéia desse mundo selvagem e, por que não, colorido, onde os dinossauros reinavam absolutos.



  Proteger as árvores, animais, rios e mares é um dever cívico. Faça sua parte, todos seremos responsabilizados pelo que estamos fazendo de mal a natureza.


Conheça o Ache Tudo e Região  o portal de todos Brasileiros. Cultive o hábito de ler, temos diversidade de informações úteis ao seu dispor. Seja bem vindo, gostamos de suas críticas e sugestões, elas nos ajudam a melhorar a cada ano.


 
 
 
 

Copyright © 1999 [Ache Tudo e Região]. Todos os direitos reservado. Revisado em: 04 outubro, 2016. Melhor visualizado em 1280x800 pixel