-
Home Pesquisar Úteis Ambiente Astronomia Recicle Cidades Árvores Dinossauros Anuncie Noticias Fale
  CRONOLOGIA DE RIO DE JANEIRO  
Ouças boas musicas
   


1501-1600
1501 - 1a. expedição enviada ao Brasil, após a viagem de Cabral, sob o comando do Gaspar Lemos; em 1o. de janeiro de 1502 chegaram ao que lhes parecia a foz de um grande rio, denominando Rio de Janeiro, ao que é, na realidade, a entrada da barra da baía de Guanabara.

1503 - 2a. expedição sob o comando de Gonçalo Coelho, com a intenção de verificar com mais exatidão os recursos naturais da nova terra. Ergueram em Cabo Frio uma feitoria destinada a embarcar o pau-brasil, árvore abundante na região.

1511 - Parte de Cabo Frio para Portugal a nau BRETOA carregada de pau-brasil, alguns índios e animais como papagaios e macacos.

1516 - Aporta no Rio de Janeiro o navegador Juan Diaz Solis, a serviço da Espanha, que cursou a costa brasileira velejando para o Sul até o Rio da Prata (durante muito tempo denominado Rio Solis), na tentativa de demarcação das terras daquele reino fronteiras com as terras do reino de Portugal.

1519 - Aporta no Rio de Janeiro o navegador português Fernão de Magalhães a serviço da Espanha, que iria efetuar a primeira volta ao mundo, partindo do Ocidente para o Oriente.
1531 - Em abril, desembarca no Rio de Janeiro, Martim Afonso de Souza comandando frota de 5 navios para iniciar efetivamente a colonização. Permanece 3 meses, improvisa uma ferraria para conserto de embarcações e constrói 2 bergantins de 15 bancos para uso dos colonos. Navios franceses, espanhóis, ingleses e de outras nacionalidades passam a explorar o litoral em busca de riquezas, principalmente o pau-brasil que comercializavam com os índios.

1532 - Preocupa-se o Governo português com as sucessivas invasões e decide o Rei D.João III colonizar o País dividindo-o em 15 Capitanias Hereditárias, para 12 fidalgos cuja obrigação principal era ocupar e desenvolver a agricultura em suas terras, defendendo-se dos ataques dos índios e dos contrabandistas.

O território hoje ocupado pelo Rio de Janeiro ficou pertencendo aos donatários da Capitania de S.Vicente, doada em 1534 a Martim Afonso de Souza, e a de S.Tomé, doada em 1536 a Pero Góis da Silveira, vizinha do Espírito Santo. O donatário de S.Tomé fundou a Vila Rainha, perto do Rio Itabapoana desenvolvendo a lavoura canavieira, mas esta foi constantemente atacada pelos índios Goitacases, provocando a fuga dos colonos para o hoje Espírito Santo.

A capitania de S.Vicente foi povoada apenas na parte sul do quinhão que lhe coube e se desenvolveu em torno do porto de S.Vicente, hoje São Paulo. Martim Afonso de Souza concedeu algumas sesmarias na região de Parati e Angra dos Reis em 1556.

1548 - Não tendo a colonização dado bons resultados através das Capitanias Hereditárias e, com o permanente assédio dos franceses sobre os índios para comercializar o pau-brasil, resolve o Rei de Portugal criar um governo geral destinado a auxiliar os donatários especialmente na luta contra os índios, que não paravam de atacar vilas e engenhos, destruindo as plantações dos colonos. É nomeado o fidalgo português Tomé de Souza, 1o. Governador Geral do Brasil. Desembarcou na Baía de Todos os Santos em 1549, fundando a cidade de Salvador, nossa primeira capital.

1552 - Quando se inicia o Governo Geral, o litoral fluminense encontra-se praticamente despovoado, Tomé de Souza comunica ao Rei que na baía de Guanabara nada havia e ali se devia mandar fazer "uma povoação honrada e boa", pois era ponto preferido pelos franceses.

1555 - Durante o governo de D.Duarte da Costa, sucessor de Tomé de Souza, instalou-se em ilhotas, na entrada da baía de Guanabara, uma expedição francesa de 100 homens, comandada pelo Vice-Almirante Villegagnon. É construído o forte de Coligny na ilha onde se situa hoje a Escola Naval, contígua ao Aeroporto Santos Dumont. Funda-se aí a França Antártica, que 2 anos depois recebe o reforço de 300 colonos calvinistas.

1560 - O 3o. Governador, Mem de Sá, recebe ordens para expulsar os franceses. Reúne todas as forças de que dispõe, tanto na Bahia quanto em Capitanias vizinhas e, após vários combates, derrota os franceses, inutilizando suas fortificações. Alguns franceses escaparam para as matas com o auxílio dos Tamoios, voltando a frequentar a baía quando o Governador retorna para Salvador.

1565 - Chega de Portugal o Capitão Mor Estácio de Sá, sobrinho de Mem de Sá, à frente de nova expedição com a incumbência de fundar uma cidade mantendo a posse da terra pelos portugueses. A 1o. de março, ocorre a fundação da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, na várzea existente entre os Morros do Pão de Açúcar e Morro Cara de Cão.

1567 - Após prolongada luta com os Tamoios e seus aliados franceses, a nova cidade foi transferida para o Morro do Castelo. Na ocasião, delimitou-se uma área quadrada de seis léguas de lado, fundando aí a Capitania Real do Rio de Janeiro sob o comando de Salvador Correa de Sá.
1568 - Portugueses concedem aos índios que colaboram nas lutas contra os franceses, favores do governo. Araribóia, chefe da tribo dos Temimimós, obtém como recompensa pelos serviços, quatro léguas de terra na margem oriental da baía de Guanabara. Aí se fundou a povoação de São Lourenço, que muito mais tarde daria origem à cidade de Niterói.

1572 - Portugal decide dividir o Brasil em dois governos para melhor administrar, sediados um em Salvador e o outro no Rio de Janeiro. O Governador deste, Dr. Antonio Salema, combateu os índios da região de Cabo Frio que, aliados aos franceses, auxiliavam no contrabando de pau-brasil. As tribos locais foram praticamente exterminadas. Inicia-se a ocupação definitiva com a criação de aldeias povoadas, freguesias e vilas.

1601-1700
O Rio de Janeiro não tem grande expressão no século XVII. A Capital do Brasil era Salvador, e Pernambuco com sua grande produção açucareira, constituía a Capitania mais importante economicamente.

Consolida-se a ocupação do território fluminense pelos portugueses que expulsam os franceses também em Cabo Frio, onde contrabandeavam o pau-brasil.

A exploração e o povoamento do interior da Capitania se devem aos colonos que adentravam o território à procura de índios e pedras preciosas, e se estabeleciam plantando cana de açúcar e construindo pequenos engenhos. Após a derrota dos Corsários e dos índios os colonos ocupam novas terras situadas além de Cabo Frio, atingindo a baixada atravessada pelo Rio Paraíba do Sul. A cultura açucareira passa a ser a principal atividade econômica seguida da extração do pau-brasil, sal (em Cabo Frio) e pesca. Na agricultura destaca-se o cultivo da mandioca.

Em 1627, grande parte da Capitania de São Tomé é dividida e são concedidas sesmarias aos sete capitães (homens que adquiriram grande prestígio ao se destacarem na luta contra os índios e franceses). Os novos donos trataram de ocupar suas propriedades, ocupando as vastas planícies da região, com excelentes pastagens e cursos d’água com a criação de gado cujas matrizes vieram dos Açores e Cabo Verde.

No final do Séc. XVII, a lavoura açucareira, baseada no uso intensivo da mão-de-obra escrava, era a grande geradora de riquezas. A zona canavieira caracterizava-se pela existência de grandes latifúndios gerando poderosa aristocracia rural.
1701-1800

O século XVIII inicia-se com a grande corrida para o interior na busca das riquezas das Minas Gerais. O Rio de Janeiro torna-se uma cidade mundialmente conhecida como ponto de partida e entreposto de fornecimento das Minas Gerais. A grande febre do ouro contagia toda a população. A abertura do Caminho Novo pelos bandeirantes, transpondo a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira, estabelece uma ligação direta entre o Rio de Janeiro e os distritos mineiros: os engenhos e plantações se despovoam. É necessário importar negros em quantidades ilimitadas. De Portugal acorrem, aos milhares, colonos e aventureiros.
A exportação do ouro obriga a adaptação do antigo porto do Rio de Janeiro, agora visitado por linhas regulares de navegação.

1710 - A prosperidade repentina atrai aventureiros como os franceses comandados por Duclerc que invadem a cidade do Rio de Janeiro mas são derrotados.

1711 - Sob o comando de Duguay-Trouin, 6000 homens em 17 navios ocupam e saqueiam a cidade do Rio de Janeiro, onde permanecem por 2 meses, trazendo horror e pânico aos locais.
1733 - Toma posse do Governo do Rio de Janeiro, Gomes Freire de Andrade que permaneceria no cargo por 30 anos, trazendo grandes benefícios para a cidade do Rio de Janeiro como a construção dos Arcos, obra mais importante do período colonial, concluída em 1750.

1763 - Carta régia transfere o Governo da Colônia de Salvador para o Rio de Janeiro. Graças à descoberta do ouro das Gerais, a região Centro Sul assume grande importância. A cidade do Rio de Janeiro contava com 50 mil habitantes.

No final do século XVIII, a decadência da mineração provoca sérias alterações no panorama social e econômico da capitania do Rio de Janeiro, retornando grande contingente populacional às terras.

Na região de Campos, os canaviais tornam-se mais numerosos. O café começa a ser plantado (matrizes vindas do Pará, onde era plantado desde 1727), há produção de sal marinho em Cabo Frio e Parati fabrica aguardente, trocada por escravos no litoral africano.

1801-1900

1901-2000
Em março de 1808, chega ao Rio de Janeiro a família real portuguesa em virtude da invasão de Portugal por tropas de Napoleão. O Príncipe Regente D.João, filho da Rainha D.Maria I, faz-se acompanhar da Corte por mais de 10.000 pessoas. Com a chegada da Corte, a cidade do Rio de Janeiro e as terras vizinhas passaram a se desenvolver extraordinariamente, com inúmeros melhoramentos urbanos.

Transferem-se para o Brasil todos os órgãos da Administração Pública e da Justiça, criam-se academias, hospitais, quartéis, tornando-se também o Rio de Janeiro ponto de partida de inúmeras expedições científicas. Destacam-se entre os estudiosos o alemão Eschwege, o inglês Mawe, o francês Saint-Hilaire, os austríacos Pohl e von Matterer, o toscano Raddi e os bavaros Spix e Martius.

Os cafezais, inicialmente cultivados nos arredores da cidade do Rio de Janeiro, atingem Angra dos Reis e Parati evoluindo para o vale do Rio Paraíba do Sul até as encostas da serra fluminense. O café passa então a concorrer com as lavouras tradicionais: açúcar, algodão e tabaco. O comércio marítimo entre o Rio de Janeiro, Lisboa e portos africanos da Guiné, Angola e Moçambique era a principal fonte de lucro das Capitanias. Importantíssimo negócio foi o tráfico de escravos trazidos, aos milhares, em navios negreiros e vendidos aos fazendeiros e comerciantes.

Extraíram-se das florestas, muito ricas na região, madeiras nobres destinadas à construção naval e à fabricação de móveis.

Dentro da Baía de Guanabara era praticada pesca em grande escala, inclusive de baleia, cujo óleo era utilizado para a iluminação da cidade.

1820 - Em 3 de janeiro, é fundada a Vila de Nova Friburgo seguindo um acordo assinado com o governo da Suiça para a introdução de 100 famílias católicas daquele país que, trabalhando como colonos livres, substituíram os escravos africanos nos serviços das fazendas. Em 1824, colonos alemães reforçam a colonização iniciada pelos suíços. Campos era, à época, a região mais povoada do interior da Capitania e também a que possuía a maior quantidade de escravos trabalhando em fazendas.


1821- Capitanias do Brasil passam a chamar-se Províncias. A mais importante era a Província do Rio de Janeiro onde estava localizada a sede do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves desde 1815.

1822 - A Capitania do Rio de Janeiro conta com 330 mil habitantes sendo 170 mil escravos. O processo de Independência do Brasil teve, na cidade do Rio de Janeiro, o seu epicentro e, na Capitania, o principal esteio econômico. Declarada a independência em 7 de setembro foi aclamado Imperador do Brasil D.Pedro I, em outubro.

Com a Independência, o Rio de Janeiro permanece como Capital do país e a Capitania é transformada em Província e passa a ser governada por Ministros do Império.

1831 - Em 7 de abril, finda o governo de D.Pedro I, que abdica em favor de seu filho D.Pedro II. O governo de Pedro I caracterizou-se por extremo autoritarismo e proteção aos portugueses residentes no Brasil, em detrimento dos brasileiros. Hostilidades manifestadas em lutas de ruas, barricadas e pesada ação da oposição pela imprensa, levam à abdicação.

1831-1834 - Período regencial marcado por grande agitação política e social em todo o país. Em 12 de agosto de 1834 é votada uma lei com o nome de Ato Adicional que separa da Província a cidade do Rio de Janeiro , agora denominada Município Neutro. A Província do Rio de Janeiro teve como sua primeira Capital a cidade de Niterói. Essa separação durou até 15 de março de 1875, quando tornaram a se unir. Assume a presidência da Província do Rio de Janeiro um presidente nomeado pelo Imperador.

1835 - A Vila Real da Praia Grande, fundada em 1819 em terrenos da sesmaria, concedida em 1568 a Araribóia, origina a Cidade de Niterói, elevada a esta categoria em 28 de março de 1835.


1841 - D.Pedro II é coroado Imperador do Brasil. Por causa de sua situação geográfica junto à capital do Brasil e, principalmente, por ser a maior produtora de café, a Província do Rio de Janeiro teve uma fase de grande prosperidade durante o II Reinado.

1854 - Por iniciativa do Barão de Mauá e com a finalidade de facilitar o escoamento da produção cafeeira, foi construída a primeira estrada de ferro do País, ligando o Porto de Mauá (hoje Magé) à Raiz da Serra da Estrela, no caminho de Petrópolis. Em pouco tempo Nova Friburgo, Barra do Piraí, Barra Mansa, Resende, Rio Bonito, Itaboraí, S.Fidélis, Macaé e Campos foram servidos por via férrea.

1861 - Inauguração da estrada de rodagem União e Indústria ligando Petrópolis a Juiz de Fora.


1862 - Companhia de barcas a vapor inicia serviço ligando o Rio de Janeiro a Niterói. A Província do Rio de Janeiro era então a maior produtora de café de todo o País, e os cafezais ocupavam extensas áreas dos Municípios de Barra Mansa, Barra do Piraí, Resende, Vassouras, Valença, Paraíba do Sul, Sapucaia, Carmo, Cantagalo, Nova Friburgo, Santo Antonio de Pádua, Miracema, Itaperuna e Bom Jesus de Itabapoana. Mesmo no litoral, havia plantações nas zonas de S.Gonçalo, São Pedro da Aldeia, Barra de São João, Macaé e perto de Niterói.

O crescente consumo de açúcar no exterior provocou a expansão da produção açucareira fluminense. Os engenhos primitivos deram lugar a grandes usinas que trouxeram prosperidade, principalmente ao norte da Província, sendo Campos de Goytacazes o maior produtor.
1873 - A população escrava da Província do Rio de Janeiro contava com mais de 300 mil indivíduos além dos 47 mil que viviam na Corte. Ocupavam-se dos trabalhos de plantio, colheita, secagem e transporte dos sacos para as estações de embarque. Além do porto do Rio de Janeiro, Parati, Angra dos Reis e Mangaratiba escoavam os produtos de exportação das quatro províncias: Rio de Janeiro, Minas Gerais, São Paulo e Espírito Santo.


1883 - Instalada a luz elétrica na cidade de Campos, essa se tornou a primeira, em todo o Brasil, a contar com esse melhoramento.


1888 - A abolição da escravatura, decretada em 13 de maio de 1888 pela Princesa Isabel, atingiu fortemente a produção fluminense concentrada nas fazendas de café e da cana de açúcar, determinando o declínio imediato. Ao contrário das fazendas paulistas, cujos proprietários tinham contratado milhares de imigrantes italianos para substituir os escravos. Campos, Valença, Cantagalo e Vassouras foram os Municípios mais atingidos da Província, pois detinham a maior quantidade de escravos. Os ricos fazendeiros descontentes com a libertação de seus escravos, milhares dos quais abandonaram imediatamente as plantações, ficaram a favor da propaganda republicana na esperança de receberem do governo alguma indenização pelos prejuízos.

1889 - Proclamação da República em 15 de novembro de 1889. Novo regime político aceito sem reação dos políticos ou dos habitantes da Província, que passa a se chamar Estado do Rio de Janeiro. É nomeado Francisco Portela para governador do Estado. O Município Neutro teve seu nome mudado para Distrito Federal.


1891 - 29 de junho - É aprovada pela Assembléia a 1a. Constituição do Estado do Rio de Janeiro.
1894 - Transferida a capital do governo do Estado de Niterói para Petrópolis. Em 1893 fora ordenada a mudança da Capital para Teresópolis mas não foi executada.


1903 - A Capital do Estado volta a se estabelecer em Niterói.
1920 - A Cidade do Rio de Janeiro ultrapassa 1.000.000 de habitantes.
1923-1927 - Feliciano Sodré - Construção dos portos de S.Lourenço e Angra dos Reis, instalação de usinas elétricas.
No período da 1a. República, acentua-se, na terra fluminense, a crise iniciada no Império: lavouras tradicionais, café e açúcar estão em decadência. A produção de café concentra-se em Itaperuna, Muriaé e Itabapoana. Áreas cafeicultoras tradicionais como Cantagalo, Vassouras e Valença são substituídas pela pecuária, ocupando os solos esgotados. Cultivo de laranja e banana, em escala econômica, inicia-se na baixada fluminense, mas só a partir de 1926 atinge os mercados externos (Reino Unido).


Não há estímulo para a produção industrial, ao contrário, destacam-se núcleos artesanais e manufatureiros pequenos e restritos ao consumo local. A indústria laticínia atinge algum desenvolvimento apesar do baixo nível tecnológico. Desenvolvem-se atividades extrativas: pesca em Cabo Frio e salineira em Araruama, além da exploração de florestas em escala predatória para o fornecimento de lenha e carvão para o Rio de Janeiro. O Rio de Janeiro perde importância em relação ao desenvolvimento de São Paulo e de Minas Gerais.
1930 - (Revolução) - Sucederam-se na chefia do Estado do Rio vários interventores federais que revelam o controle exercido pelo Governo Federal sobre o Estado.


A situação econômico-financeira foi limitada aos próprios recursos do Estado, em razão dos reflexos sofridos pela Nação, provocados pelas mudanças políticas, assim como pela crise mundial de 1929. Reduziu-se a produção cafeeira, enquanto duplicou a produção canavieira. A partir de 1933 desenvolve-se a indústria do cimento. Faltam recursos para infra-estrutura, restringindo-se o desenvolvimento a aspectos sociais como assistência médica e ensino.


1937 - Implantando o Estado Novo - nomeado interventor federal o Cte. Ernâni do Amaral Peixoto, que reorganizou o sistema tributário, criou as Secretarias de Educação e Saúde Pública, Agricultura, Indústria e Comércio e desenvolveu amplo programa rodoviário e de abastecimento de água.
1941 - Início das atividades da Companhia Siderúrgica Nacional em Volta Redonda, estrategicamente localizada entre Rio de Janeiro e São Paulo, dois maiores centros de consumo e distribuição dos produtos de siderurgia. Seguem-se os governos de vários interventores federais até a eleição do governador Gal. Edmundo de Macedo Soares e Silva, em 1947, que imprime novo desenvolvimento: quadruplica a produção do aço e promove a produção de cimento, também ascendente. Reergue a produção agropecuária através de crédito rural e desenvolve o corporativismo.
1951-1954 - Eleito, Amaral Peixoto executa vasto plano rodoviário e incrementa a produção industrial; cria a Cia. Nacional de Álcalis, em Cabo Frio; conclui a Usina Hidrelétrica de Macacu, além de obras importantes de saneamento, água e esgoto em vários municípios e da adutora do Laranjal.


1954-1958 - Miguel Couto Fo. beneficiou o setor de saúde pública criando postos de atendimento e unidades itinerantes. Estendeu a rede elétrica a vários municípios.
1959-1961 - Roberto Teixeira da Silveira dinamiza a organização estadual criando as Secretarias de Energia Elétrica, Desenvolvimento Econômico, Administração Geral, Trabalho e Serviço Social e Comunicação e Transportes. Destaque para o Movimento Popular de Alfabetização.
1960 - 21 de abril a cidade do Rio de Janeiro deixa de ser Distrito Federal e Capital do Brasil, transferida para Brasília.
1963 - Eleito Badger da Silveira (irmão de Roberto da Silveira) que cria a CELF, Centrais Elétricas Fluminenses, dinamizando o fornecimento de energia elétrica.


1974 - Março - Inauguração da Ponte Costa e Silva ligando as cidades do Rio de Janeiro e Niterói.
1975 - Em 15 de março de 1975, fundiram-se o Estado da Guanabara e o Estado do Rio de Janeiro, com o nome de Estado do Rio de Janeiro, assumindo o governo da nova unidade federativa o Almte. Faria Lima. Em 23 de julho - Promulgação da Constituição do Estado do Rio de Janeiro.
1982 - Pela primeira vez desde 1964, houve eleições diretas para governadores.

O reerguimento e a recuperação do Estado do Rio depois do declínio do café fez-se tanto pelo desenvolvimento de novas formas de atividade agrícola, como pela instalação de numerosas indústrias. A cana de açúcar nas vastas planícies de Campos, a criação de gado no vale do Rio Paraíba do Sul, plantações de arroz em Miracema e Santo Antonio de Pádua, a extração do sal em Cabo Frio, Araruama e S.Pedro da Aldeia, as culturas de banana e da laranja na Baixada, perto da Baía de Guanabara, tomate em Resende, chuchu em Petrópolis e abacaxi concentrado em Itaboraí, Rio Bonito e Magé completam o quadro dos produtos principais do Estado do Rio.

Criação das Freguesias

1593 - Criada por Carta Régia a Freguesia de N.S. Conceição da Ilha Grande, atual Município de Angra dos Reis.
1612 - Criada por Alvará a Freguesia de N.S. do Pilar, atual Município de Duque de Caxias.
1615 - Criada por Alvará de 13/11/1615 a Freguesia de N.S. da Assunção, atual Município de Cabo Frio.
1644 - Criada por Alvará a Freguesia de S.João da Barra, atual Município de São João da Barra.
1645 - Criada por Alvará de 10/02/1645 a Freguesia de S.Gonçalo do Amarante, atual Município de S.Gonçalo.
1647 - Criada por Alvará de 10/02/1647, a Freguesia de S.João Batista de Trairaponga, atual Município de São João de Meriti.
1667 - Criada por Carta Régia de 28/02/1667 a Freguesia de N.S.dos Remédios de Parati, hoje Município de Parati.
1674 - Criada por Carta Régia de 17/07/1674 a Freguesia de S.Salvador, hoje Município de Campos dos Goytacazes.

1696 - Criada por Alvará de 18/01/1696 a Freguesia de S.João Batista de Icaraí, atual Município de Niterói; criada por Alvará de 18/01/1696 a Freguesia de N.S. da Piedade de Magé, atual Município de Magé; criada por Alvará de 18/01/1696 a Freguesia de S.João Batista de Itaboraí, atual Município de Itaboraí.

1719 - Criada por Provisão Episcopal a Freguesia de N.S. da Piedade de Iguaçú, atual Município de Nova Iguaçú.

1750 - Criada por Provimento de 18/07/1750 a Freguesia da Sacra Família de Tinguá, atual Município Engenheiro Paulo de Frontin.

1755 - Criada por Alvará de 11/01/1755 a Freguesia de N.S. da Conceição de Paty do Alferes, atual Município de Paty do Alferes; criada por Alvará de 11/01/1755 a Freguesia de N.S. do Amparo de Maricá, atual Município de Maricá; criada por Alvará de 11/01/1755 a Freguesia de N.S. de Nazaré de Saquarema, atual Município de Saquarema; criada por Alvará de 12/01/1755 a Freguesia de S. João Marcos, atual Município de Rio Claro; criada por Alvará de 15/01/1755 a Freguesia de N.S. da Ajuda de Guapimirim, atual Município de Guapimirim; criada por Alvará de 26/11/1755 a Freguesia de Sant’Ana de Macacu, atual Município de Cachoeiras de Macacu.

1756 - Criada por Alvará de 02/01/1756 a Freguesia de S.Pedro e S.Paulo de Paraíba do Sul, atual Município de Paraíba do Sul.

1757 - Criada por Alvará de 02/01/1757 a Freguesia de N. S. da Conceição do Campo Alegre, atual Município de Resende.

1759 - Criada por Alvará de 04/02/1759 a Freguesia de N.S. da Conceição de Marapicu, atual Município de Queimados; criada por Provimento de 15/11/1759 a Freguesia de S.Francisco Xavier de Itaguaí, atual Município de Itaguaí.

1761 - Criada por Alvará de 1761 a Freguesia de Sacra Família de Ipuca, atual Município de Casemiro de Abreu; criada por Provisão de 03/06/1761 a Freguesia de N.S. da Conceição de Iguaba, atual Município de S.Pedro da Aldeia.


1764 - Criada por Provisão de 16/01/1764 a Freguesia de N.S. da Guia de Mangaratiba, atual Município de Mangaratiba.

1768 - Criada por Provisão de 27/08/1768 a Freguesia de N.S. da Conceição do Rio Bonito, atual Município de Rio Bonito.

1786 - Criada por Portaria de 09/10/1786 a Freguesia de SS. Sacramento de Cantagalo, atual Município de Cantagalo.

1795 - Criada por Ordem Régia de 22/12/1795 a Freguesia de S.Sebastião de Araruama, atual Município de Araruama.

1801 - Criada por Provisão de 09/10/1801 a Freguesia de N.S. da Lapa de Capivarí, atual Município de Silva Jardim.

1813 - Criada por Provimento de 15/08/1813 a Freguesia de N.S. da Glória de Valença, atual Município de Valença.

1815 - Criada por Alvará de 25/11/1815 a Freguesia de São José da Serra, atual Município de São José do Vale do Rio Preto.

1817 - Criada por Alvará de 17/10/1817 a Freguesia de Sant’Ana de Piraí, atual Município de Piraí.
1820 - Criada por Alvará de 03/01/1820 a Freguesia de São João Batista de Nova Friburgo, atual Município de Nova Friburgo.
1836 - Criada por Lei Provincial de 29/12/2836 a Freguesia de S.Pedro e S.Paulo do Ribeirão das Lajes, atual Município de Paracambi.

 1837 - Criada por Lei Provincial de 23/12/1837 a Freguesia de N.S. da Conceição de Vassouras, atual Município de Vassouras.

1839 - Criada por Lei Provincial de 15/05/1839 a Freguesia de S.Sebastião da Barra Mansa, atual Município de Barra Mansa.

1840 - Criada por Lei Provincial de 17/10/1840 a Freguesia de São Fidélis de Sigmaringa, atual Município de São Fidélis.

1842 - Criada por Lei Provincial de 26/04/1842 a Freguesia de N.S. da Conceição Aparecida, atual Município de Sapucaia; criada por Lei Provincial de 09/05/1842 a Freguesia de São José do Campo Belo, atual Município de Itatiaia.


1843 - Criada por Lei Provincial de 31/05/1983 a Freguesia de N.S. da Conceição do Paquequer, atual Município de Sumidouro; criada por Lei Provincial de 01/06/1843 a Freguesia de Santo Antonio de Pádua, atual Município de Santo Antonio de Pádua.

1846 - Criada por Lei Provincial de 25/04/1846 a Freguesia de N.S. do Carmo, atual Município de Carmo; criada por Lei Provincial de 20/05/1846 a Freguesia de S.Pedro de Alcântara, atual Município de Petrópolis; criada por Lei Provincial de 20/05/1846 a Freguesia de São Francisco de Paula, atual Município de Trajano de Morais.


1850 - Criada por Lei Provincial de 21/03/1850 a Freguesia de S.José de Leonissa da Aldeia da Pedra, atual Município de Itaocara.

1851 - Criada por Lei Provincial de 30/08/1851 a Freguesia de N.S. do Rosário de Quatís, atual Município de Quatís.

1852 - Criada por Lei Provincial de 27/09/1852 a Freguesia de N.S. da Piedade, atual Município de Barra do Piraí.

 1853 - Criada por Lei Provincial de 14/02/1853 a Freguesia de N.S. da Natividade do Carangola, atual Município de Natividade.

1855 - Criada por Lei Provincial de 28/09/1855 a Freguesia de Sta. Maria Madalena, atual Município de Santa Maria Madalena; criada por Lei Provincial de 28/09/1855 a Freguesia de São Sebastião do Alto, atual Município de São Sebastião do Alto; criada por Lei Provincial de 29/09/1855 a Freguesia de Santa Cruz de Mendes, Município de Mendes; criada por Lei Provincial de 06/10/1855 a Freguesia de N.S. da Conceição de Macabu, atual Município de Conceição de Macabu; criada por Lei Provincial de 06/10/1855 a Freguesia de Sant’Ana das Palmeiras, atual Município de Miguel Pereira; criada por Lei Provincial de 06/10/1855 a Freguesia de Santa Teresa, atual Município de Rio das Flores; criada por Lei Provincial de 06/10/1855 a Freguesia de N.S. da Conceição de Bemposta, atual Município de Três Rios; criada por Lei Provincial de 25/10/1855 a Freguesia de Santo Antonio do Paquequer, atual Município de Teresópolis.

1856 - Criada por Lei Provincial de 13/10/1856 a Freguesia de São José do Ribeiro, atual Município de Bom Jardim; criada por Lei Provincial de 24/10/1856 a Freguesia de N.S. da Conceição de Duas Barras do Rio Negro, atual Município de Duas Barras.

1861 - Criada por Lei Provincial de 04/11/1861 a Freguesia de Senhor Bom Jesus de Monte Verde, atual Município de Cambuci; criada por Lei Provincial de 14/12/1861 a Freguesia de N.S. da Piedade da Laje, atual Município de Laje do Muriaé.

1862 - Criada por Lei Provincial de 14/11/1862 a Freguesia de Senhor Bom Jesus do Itabapoana, atual Município de Bom Jesus do Itabapoana.

1873 - Criada por Lei Provincial de 06/11/1873 a Freguesia de Santo Antonio das Cachoeiras, atual Município de Italva.

1879 - Criada por Lei Provincial de 19/11/1879 a Freguesia de São Sebastião de Varre-Sai, atual Município de Varre-Sai; criada por Lei Provincial de 26/11/1879 a Freguesia de Santo Antonio de Carangola, atual Município de Porciúncula.
1881 - Criada por Decreto de 24/09/1881 a Freguesia de N.S. do Monteserrat, atual Município de Comendador Levi Gasparian.


Fonte: Site Oficial do Governo Estadual



  'Não estamos sozinhos', ou dividimos espaço com outras criaturas, ou morremos junto com o planeta, tenha consciência disso. Proteger as árvores, animais, rios e mares é um dever cívico. Faça sua parte, todos seremos responsabilizados pelo que estamos fazendo de mal a natureza.


Conheça o Ache Tudo e Região  o portal de todos Brasileiros. Cultive o hábito de ler, temos diversidade de informações úteis ao seu dispor. Seja bem vindo, gostamos de suas críticas e sugestões, elas nos ajudam a melhorar a cada ano.


 

Copyright © 1999 [Ache Tudo e Região]. Todos os direitos reservado. Revisado em: 27 março, 2017. Melhor visualizado em 1280x800 pixel