Home Pesquisar Úteis Ambiente Astronomia Recicle Cidades Dinossauros Anuncie Noticias Fale Conosco
   
Historia do Brasil
   
 


O pinóquio premiado" por gestão hídrica, Alckmin atrasa entrega de caixas-d'água

Premiado por sua gestão na crise hídrica, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) tem atrasado a entrega de caixas-d'água às vítimas do racionamento.

Das 25 mil unidades que deveriam ter sido entregues até junho, só 15 mil chegaram às famílias de baixa renda, mas estes números são irrisórios diante da massa necessitada, pelo menos (7) milhões precisam destas caixas.


Essa meta tem sido descumprida seguidas vezes. A nova promessa, agora, é completar as entregas somente em março do ano que vem. Os equipamentos são essenciais para as milhares de famílias pobres que ficam de 13 a 20 horas por dia com as torneiras secas, estratégia para economizar água que já dura um ano e meio.

"É claro que faz diferença, sem isso, a gente fica sem água quase o dia inteiro", diz o gari José Carlos Marciano, 56, morador de comunidade pobre da zona norte de São Paulo que leva o nome de Vila Esperança da Caixa-d'Água.

Animado, em abril ele se cadastrou na associação de moradores para receber seu reservatório. Chegou a montar uma pequena laje de concreto e ferragens para recebê-lo. "Disseram que as casas que não tivessem estrutura não receberiam. Então me preparei, mas, até agora, nada."

A principal justificativa para a demora é a concentração das entregas nos finais de semana. Nos dias úteis, segundo a Sabesp (estatal de água), as famílias não são encontradas em suas residências.

Vizinho de Marciano, o bancário Emerson de Souza, 24, chegou a construir uma pequena torre de ferro no meio da viela em que mora. Em cima da torre, colocou uma chapa de ferro que serve como plataforma para a caixa-d'água que ainda não veio. Ele diz ter gasto R$ 1.500 para montar a estrutura.

Outra que não tem caixa-d'água é Edinalva Pinho, 51, moradora da Vila Palmeiras, na zona norte. Ela mostra o braço com queimaduras recentes, segundo ela, marcas de um acidente sofrido enquanto esquentava a água para o banho de caneca da neta. Em outro extremo de São Paulo, no bairro de Itaquera, na zona leste, o pedreiro José Damião Teodósio, 50, ironiza o prêmio que o governador irá receber no mês que vem de uma comissão da Câmara.

"Quem merece prêmio somos nós que ficamos o dia inteiro sem água (...) Ele ganha prêmio, e a gente ganha o quê? Aumento [na conta de água]". Ele relata ficar sem água todos dias das 17h às 5h.

"A gente não tem água e a conta vem alta, vai entender", afirma. São Paulo vive hoje a mais grave estiagem em 85 anos. Para controlar o pouco que resta de água nas represas, o governo paulista desde o ano passado tem racionado a entrega de água na Grande SP. Quem mais sofre com a restrição são moradores de bairros altos e periféricos. Com a estratégia de reduzir a pressão nos canos para evitar desperdício, a água chega com dificuldade e em pouco volume nessas localidades, como sempre a água só chega mesmo nos bairros nobres, o trabalhador não precisa de água, Alckmin prestigia apenas seu palácio e a classe rica, só mostra seu sorriso indigesto e falso em época de eleições.



  Proteger as árvores, animais, rios e mares é um dever cívico. Faça sua parte, todos seremos responsabilizados pelo que estamos fazendo de mal a natureza.


Conheça o Ache Tudo e Região  o portal de todos Brasileiros. Cultive o hábito de ler, temos diversidade de informações úteis ao seu dispor. Seja bem vindo, gostamos de suas críticas e sugestões, elas nos ajudam a melhorar a cada ano.


 
 
 
 

Copyright © 1999 [Ache Tudo e Região]. Todos os direitos reservado. Revisado em: 01 outubro, 2015. Melhor visualizado em 1280x800 pixel