-
Home Pesquisar Úteis Ambiente Astronomia Recicle Cidades Árvores Dinossauros Anuncie Noticias Fale
   
Ouças boas musicas
   


Funcionaria do FBI se casou com terrorista do Estado Islâmico na Síria

Uma tradutora do FBI (polícia federal americana) com credencial de segurança de alto nível viajou à Síria em 2014 e se casou com o terrorista da facção Estado Islâmico que ela deveria investigar. O caso foi revelado pela rede CNN.

Daniela Greene, 38, mentiu ao FBI sobre o destino de sua viagem e alertou o marido sobre a investigação contra ele, de acordo com registros judiciais.



O extremista, Denis Cupert, é um rapper alemão que ganhou influência nas fileiras do Estado Islâmico como recrutador on-line de jihadistas na Europa. A atividade o colocou no radar de autoridades de contraterrorismo em dois continentes.

Cupert era conhecido pelo nome Deso Dogg na Alemanha. Na Síria, ele é Abu Talha al-Almani. Em seus vídeos de propaganda, Cupert já elogiou Osama bin Laden, ameaçou o ex-presidente americano Barack Obama e apareceu segurando uma cabeça humana recém-decepada.

Nascida na antiga Tchecoslováquia e criada na Alemanha, Greene se casou com um soldado americano e se mudou para os Estados Unidos ainda jovem. Na Carolina do Sul, se formou em história. Fluente em alemão, entrou para o FBI em 2011 como tradutora. Em janeiro de 2014, ela passou a integrar uma investigação no escritório de Detroit sobre o "Indivíduo A", um terrorista alemão vinculado ao Estado Islâmico.

A CNN afirma ter identificado o "Indivíduo A" usando documentos judiciais, reportagens sobre sua carreira musical e a transformação em jihadista, boletins do governo e vídeos. Uma fonte próxima à investigação confirmou sua identidade.

VIAGEM À SÍRIA

Durante a investigação, Greene contatou o "Indivíduo A" através de uma conta no Skype. Em junho de 2014, deu entrada com os papéis no FBI para uma viagem à Alemanha. Greene, porém, foi para Istambul, de onde partiu para a fronteira turca com a Síria. Lá, casou-se com Cupert.

Semanas depois, ela enviou e-mails para uma pessoa não identificada nos Estados Unidos afirmando que teria se arrependido. "Eu era fraca e não sabia como lidar com tudo. Eu realmente fiz uma bagunça desta vez", escreveu em 8 de julho, segundo os documentos do processo.

Dias depois, Greene escreveu para a mesma pessoa: "Eu provavelmente irei para a prisão por um longo tempo se eu voltar, mas a vida é assim. Eu queria poder voltar alguns dias no tempo."

Não está claro quanto a Justiça americana tomou conhecimento das ações de Greene, mas em 1º de agosto de 2014 as autoridades já tinham um mandado de prisão para a agente do FBI. Ela conseguiu fugir da Síria e voltar aos EUA, onde foi presa no dia 8.

A tradutora passou então a cooperar com o governo. Em novembro daquele ano, os promotores pediram que fosse mantido o sigilo sobre os documentos do processo. No mês seguinte, Greene admitiu ser culpada. Apenas em maio de 2015 uma parte dos arquivos teve o sigilo levantado.

SENTENÇA

Devido à cooperação na investigação, a Promotoria pediu para Greene uma sentença de apenas dois anos de prisão, considerada leve. Americanos condenados em julgamentos recentes envolvendo o Estado Islâmico receberam uma sentença média de 13,5 anos de prisão, segundo análise do Centro de Segurança Nacional da Universidade Fordham.

O Pentágono informou em outubro de 2015 que Cuspert havia sido morto em um bombardeio à cidade síria de Raqqa. Nove meses depois, porém, em 3 de agosto de 2016, o governo americano voltou atrás e afirmou que o extremista sobrevivera ao ataque aéreo. No dia seguinte, Greene foi libertada da prisão federal, após cumprir sua pena.

Em nota, o FBI afirmou que, como consequência do caso Greene, "tomou várias medidas em diferentes áreas para identificar e reduzir vulnerabilidades de segurança". O órgão não detalhou essas medidas.

"É um constrangimento enorme para o FBI, não há dúvida", afirmou à CNN John Kirby, ex-funcionário do Departamento de Estado. "Para ela ser capaz de entrar [na região do Estado Islâmico] como uma americana, mulher, empregada do FBI, e ser capaz de fixar residência com um conhecido líder do Estado Islâmico, tudo isso foi coordenado."

Greene trabalha hoje em um hotel nos Estados Unidos cuja localização não foi divulgada pela CNN para proteger a segurança da tradutora. "Se eu falar com vocês minha família estará em perigo", disse Greene em uma breve entrevista.

O advogado dela, Shawn Moore, afirmou que a ex-agente do FBI está "genuinamente arrependida" de suas ações. "Ela era apenas uma pessoa bem intencionada que acabou em algo muito maior." (Folhapress)


  'Não estamos sozinhos', ou dividimos espaço com outras criaturas, ou morremos junto com o planeta, tenha consciência disso. Proteger as árvores, animais, rios e mares é um dever cívico. Faça sua parte, todos seremos responsabilizados pelo que estamos fazendo de mal a natureza.


Conheça o Ache Tudo e Região  o portal de todos Brasileiros. Cultive o hábito de ler, temos diversidade de informações úteis ao seu dispor. Seja bem vindo, gostamos de suas críticas e sugestões, elas nos ajudam a melhorar a cada ano.


 

Copyright © 1999 [Ache Tudo e Região]. Todos os direitos reservado. Revisado em: 03 maio, 2017. Melhor visualizado em 1280x800 pixel