Home Pesquisar Endereços úteis Meio Ambiente Astronomia Recicle Classificados Dinossauros Anuncie Noticias Fale Conosco

Grécia Antiga

 
Historia da Grécia
Monumentos da Grécia
Os Mármores de Parthenon
Relação de medalhas 2004
Grécia Onde Tudo Começou
Opinião Pessoal
A origem das Olimpíadas
Todas as olimpíadas
 
 

Serviço

 
Árvore
Bolsa de valores Dólar Euros
Carta ao Leitor
Ciência
Culinária
Desaparecidos
Descobrimento do Brasil
Emissoras de Rádios
Endereços Úteis
Historia do Brasil
Globalização
Lixo Recicle
Mandamentos
Mapa do Brasil
Meio ambiente
Mulher
Musicas
Paises
Plantas Medicinais
Piadas
Política
Olimpíadas
Sexo
Sites
Truques do amor
Vídeos
Jogos da Live
Noticias Gerais
Nossa Historia
 

Meio Ambiente

 

O que é Meio Ambiente
Declaração do Ambiente
Aquíferos
Água o liquido precioso
Anfíbios
Arvores
Animais Pré-histórico
Animais em extinção
Aves
Baleias  ancestrais
Cães
Celenterados ou Cnidários
Cobras
Crustáceos
Equinodermos
Gatos
Grandes Felinos
Insetos
Macacos
Mamíferos em geral
Moluscos
Oceanos e Rios
Peixes água doce
Peixes água salgada
Poríferos
Protozoários
Répteis em geral
Tartarugas
Vídeos de Animais
Donativos voluntários
 
 
 
 

 

 

 

   

Os 3 Gregos das 7º maravilhas do Mundo eram;

Templo de Ártemis

Mas quando eu vi a sagrada casa de Artemis elevando-se até as nuvens, as outras Maravilhas foram colocadas na sombra, para o que Sol nunca olhasse para elas fora de Olimpo."
(Antipater, poeta grego-palestino)


Foi o Templo de Artemis em Éfeso.
Erguido por Creso, rei da Lídia (450 a.C. ), em Éfesso, na atual Turquia, em honra à deusa dos bosques.



Media 138 m por 71,5 m, com colunas de 19,5 m. Famoso pela obras de arte, entre elas a escultura de Ártemis em ébano, ouro, prata e pedra preta. Incendiado por uma maníaco. Reconstruído em 356 a.C. foi arrasado pedos godos. Algumas esculturas estão no Museu Britânico.

A estrutura que ganhou uma marca na lista da Maravilhas foi contruída por volta de 550 a.C.
Conhecido como um grande templo de mármore , foi patrocinado pelo rei da Lídia Croesus e foi desenhado pelo arquiteto Grego Quérsifron e por seu filho Metágenes.


 Foi decorado com estátuas de bronze esculpidas pelos mais experientes artistas de sua época: Fídias, Polyceitus, Kresilas e Phradmon. Na noite de 21 de julho de 356 a.C. (noite de nascimento de Alexandre, o Grande), um homem louco chamado Eróstrato queimou o templo, colocando-o no chão, numa tentativa de imortalizar seu nome. Foi reconstruído, dessa vez, em 20 anos.


 


Quando São Paulo visitou Éfeso para pregar o Cristianismo no século I d.C., ele foi confrontado pelo culto a Artemis que não tinha nenhum plano de abandonar seus deuses. E quando o templo foi destruído pelos barbaros godos em 262 d.C., os Gregos efesianos juraram reconstruí-lo. No século 4 d.C. a maioria dos Gregos efesianos se converteram para o Cristianismo e o templo perdeu sua importância religiosa.

 

O capítulo final veio em 401 d.C. quando o Templo de Artemis foi divido por
São João Crisostomo (Santo da Grega Catolica Ortodoxa Igresa). Éfeso foi mais tarde foi desertada, e somente no fim do século XIX o local foi escavado. A escavação revelou as fundações do templo e a estrada para o agora local pantanoso. Tentativas de reconstruir o templo foram feitas recentemente, mas somente poucas colunas foram reerguidas.


Este templo levou 200 anos para ficar pronto, em 550 a.C., pois foi reconstruído e aumentado muitas vezes. Somente na quarta expansão, o Templo foi incluído na lista das Maravilhas do Mundo. Era notável pela suas 127 colunas de mármore. Elas estavam dispostas em fila dupla, em volta da cela (espaço interno).


• A fundação do templo era em forma retangular, semelhante a muitos templos da época. Diferente dos outros santuários, entretanto, a construção era feita de mármore, à exceção de sua cobertura em azulejo e madeira, com uma fachada decorada sobre um amplo pátio. Degraus de mármore ao redor da plataforma da construção levavam para o terraço alto retangular de aproximadamente 80 m por 130 m.

 

As colunas, de 20 m de altura, eram de arquitetura jônica e com entalhes nos lados circulares. Era notável pela obras de arte que o adornavam e pelas suas 127 colunas de mármore, no total. Elas estavam alinhadas ortogonalmente em fila dupla sobre a área total da plataforma, exceto na cela central ou casa da deusa.

Das esculturas, salvaram-se cópias da famosa estátua de Ártemis, em versão pouco grega da deusa, pelo excesso de rigidez. Apresenta-se de pé, tensa, em posição de sentido, com as mão estendidas para os lados. A estátua original, em ouro, ébano, prata e pedra negra, tinha as pernas e quadris cobertos por um manto. Altos-relevos de animais e abelhas lhe decoravam as vestes e um penteado piramidal lhe encimava a cabeça.


A descrição detalhada do templo ajudou os arqueologistas a reconstruírem o edifício. Muitas reconstruções tal como a de H. F. von Erlach, descreveram a fachada com um pórtico de 4 colunas que nunca existiram. Reconstruções mais precisas podem dar-nos uma idéia sobre o design geral do templo. Entretanto, sua verdadeira formosura repousa nos detalhes arquitetônicos e artísticos que continuarão desconhecidos para sempre.


Hoje o local do templo é um campo pantanoso. Uma única coluna está erguida para lembrar aos turistas que uma vez, esteve naquele lugar uma das maravilhas do mundo antigo.


Localização: Na antiga cidade de Éfeso, próxima à atual cidade de Selcuk, cerca de 50 km ao sul de Izmir, na costa oriental da região onde hoje se situa a Turquia.



Dimensões: 80 x 130 x desconhecida m (largura x profundidade x altura)
Função da Construção: Construção Religiosa
Civilização Construtora: Grega
Anos de Existência: 194 anos (ainda existem pedaços)
Material Predominante: Mármore

Biblioteca de Celso, em Éfeso


Colossus em Ilha Rodes
Em toda a sua história, a antiga Grécia era composta de cidades-Estados as quais tinham poder limitado fora de suas fronteiras. Na pequena ilha de Rhodes havia três destas: Ialysos, Kamiros e Lindos. Em 408 a.C., as cidades uniram-se para formar um único território, com uma capital unificada, Rhodes.

 

A cidade prosperou comercialmente e tinha forte laços econômicos fixada com seu principal aliado, Ptolomeu Soter do Egito. Em 305 a.C., os Gregos da Macedônia que também eram rivais de Ptolomeu, cercaram Rhodes para numa ação para quebrar a aliança Rodo-Egípcia. Eles nunca conseguiram penetrar na cidade.

Quando um acordo de paz foi assinado em 304 a.C., os Gregos da Macedônia suspenderam o cerco, deixando um rico equipamento militar para trás. Para celebrar sua união, os rodianos venderam o equipamento e usaram o dinheiro para erguer uma enorme estátua representando seu deus do sol, Hélio.

A construção do Colossus levou 12 anos e foi terminada em 282 a.C. Por anos, a estátua ficou na entrada do porto, até que um forte terremoto atingiu Rhodes em 226 a.C. A cidade estava completamente destruída e o Colossus quebrou-se no seu ponto mais fraco: o joelho. Imediatamente, os rodianos receberam uma oferta de Ptolomeu Eurgetes do Egito que cobriria todos os custos de reparação para o monumento tombado. Entretanto, um oráculo foi consultado e proibiu a reconstrução.

A oferta de Ptolomeu foi recusada.
Por quase um milênio, a estátua quebrada permaneceu em ruínas. Em 654 d.C., os barbaros árabes invadiram Rhodes.
Eles desmontaram o resto do Colossus quebrado e venderam para um comerciante judeu da Síria.
Acredita-se que os fragmentos foram transportados para a Síria nas costas de 900 camelos, e após foi derretido.


O projeto foi licenciado pelo escultor Rodiano Cares de Lindos. Para construiu a estátua, seus trabalhadores fundiram a parte externa de bronze da pele. A base foi feita de mármore branco e o pé e o tornozelo da estátua foram ligados primeiro.

 

A estrutura foi gradualmente erguida à medida que o bronze era reforçado com uma estrutura de 7t de ferro e rochas para apoiar a estátua. Para alcançar as partes mais altas, foi construída uma rampa desde o chão e que envolvia a estátua; ela, mais tarde, foi retirada. Quando o Colossus estava pronto, ele tinha 46 m de altura e pesava cerca de 70t. E quando estava caído, "poucas pessoas puderam fazer seus braços armas encontraram em volta do polegar", escreveu Pliny.

Localização: Na entrada do porto na ilha de Rhodes no Mediterrâneo, Grécia.
Dimensões: desconhecido x desconhecido x 46 m (largura x profundidade x altura)
Função da Construção: Construção Artística
Civiliza����������������������������������ão Construtora: Grega
Anos de Existência: 56 anos
Material Predominante: Bronze Marmori Pedra e ferro.

 


Estatua de Zeus


Em sua mão direita uma figura de Vitória feita de marfim e ouro. Em sua mão esquerda, seu cetro embutido com todos os metais, e uma águia empuleirada no cetro. As sandálias do deus são feitas de ouro, como o seu manto."
(Pausanias, o Grego em 2 d.C .)

Localização: Na antiga cidade de Olímpia, na costa oeste da atual Grécia, cerca de 150 km a oeste de Atenas
Dimensões: 6,5 x desconhecida x 15 m (largura x profundidade x altura)
Função da Construção: Construção Artístico-Religiosa
Civilização Construtora: Grega
Anos de Existência: 909 anos
Material Predominante: Marfim e ouro


O magnífico templo de Zeus foi desenhado pelo arquiteto Libon a foi construído entre 456 e 447 a.C. Sob o poder crescente da Grécia Antiga, o templo em estilo Dórico simples tornou-se muito mundano, e modificações foram necessárias.
O escultor atenense Fídias, o mais célebre escultor da Antigüidade, foi designado para realizar a majestosa estátua de zeus.
Depois desta estátua, Fídias não fez mais nenhuma outra obra.

O templo foi destruído por fogo no século 5 a.C.. Antes, a estátua foi transportada pelos Gregos abastados para um palácio em Constantinopla. Lá, sobreviveu durante algum tempo, mas não resistiu a um severo incêndio em 462 d.C. Hoje, nada resta do local no velho templo, exceto rochas e ruínas, a fundação do prédio, e colunas em destroços.

Tinha 15 metros de altura, foi feita de marfim e ébano e era toda incrustada de ouro e pedras preciosas. mostrava Zeus sentado em seu trono de cedro. Tinha uma coroa em torno da cabeça. Trazia uma estátua de Nicéia, deusa da vitória, em sua mão direita espalmada, e um cetro (bastão de rei) com uma águia na sua mão esquerda.

Fídias começou a trabalhar na estátua por volta 440 a.C.. Anos antes, ele tinha desenvolvido uma técnica para construir colossais estátuas de ouro e marfim. Esta foi feita erguendo uma armação de madeira no qual lâminas de metal e marfim colocadas para suprir a cobertura externa.


 A oficina de Fídias em Olímpia foi descoberto em 1950 e ainda existe, e é, coincidentemente, - ou não - idêntica no tamanho e orientação ao templo de Zeus. Lá, ele esculpiu os diferentes pedaços da estátua antes de montá-la no templo.


Quando a estátua foi terminada, quase não entrou no templo. Strabo escreveu:
"... embora o templo seja muito grande, o escultor é criticado por não Ter calculado as proporções corretas. Ele mostra Zeus sentado, mas com a cabeça quase tocando o teto, então nós temos a impressão de que se Zeus se levantasse, destelharia o templo."
Strabo estava certo, exceto quando ele disse que o escultor deve ser elogiado e não criticado. É este tamanho impressionante que fez a estátua tão maravilhosa. A idéia de que o rei dos deuses é capaz de destelhar o templo se ele se levantasse, fascinou igualmente a poetas e historiadores. A base da estátua era de 6,5 m de largura e 1 m de altura. A altura da própria estátua era de 13 m, equivalente a um moderno edifício de 4 andares.


Cópias da estátua foram feitas, incluindo um grande protótipo em Cirene, na Líbia. Nenhuma delas, entretanto, sobreviveu até os dias de hoje. Reconstruções anteriores foram feitas por von Erlach, sabendo-se agora que era imprecisa. Nós podemos apenas imaginar a verdadeira aparência da estátua - o maior trabalho da escultura grega.

Referências

Quezi: Ephesus
a b Oklahoma Christian University: Ephesus
John Freely, The Western Shores of Turkey: Discovering the Aegean and Mediterranean Coasts, 2004, p. 148.
2:1–7
Harris, Stephen L., Understanding the Bible, Palo Alto, Mayfield, 1985.
a b c Estrabão, Geografia, Livro XIV, Capítulo 1, 3
↑ a b Estrabão, Geografia, Livro XIV, Capítulo 1, 21
Estrabão, Geografia, Livro XIV, Capítulo 1, 4
a b c d e f Estrabão, Geografia, Livro XIV, Capítulo 1, 25

 

 

 

Novo sistema de governo (inventado) para o Brasil é (Apolítico), ou seja, sem políticos, troque a irresponsabilidade pela responsabilidade, de o seu apoio no site: http://sfb-br.org

 

 

Conheça o Ache Tudo e Região  o portal de todos Brasileiros. Coloque este portal em seus favoritos. Cultive o hábito de ler, temos diversidade de informações úteis ao seu dispor. Seja bem vindo, gostamos de suas críticas e sugestões, elas nos ajudam a melhorar a cada ano.

 

Faça parte desta comunidade, venha para o Ache Tudo e Região.
 
 

PUBLICIDADE

Copyright © 1999 [Ache Tudo e Região]. Todos os direitos reservado. (Politica de Privacidade). Revisado em: 13 julho, 2015. Melhor visualizado em 1280x800 pixel